Quanto amor cabe em um abraço

Muito, não é mesmo? E quantos sentimentos esta imagem desperta em nós? Felicidade, plenitude, satisfação, preenchimento, pertencimento… São tantas as emoções sentidas que, às vezes, nem conseguimos definir.

Se para os adultos já é um grande desafio compreender as emoções, imagina para as crianças? Na infância, os pequenos ainda estão desenvolvendo as conexões neurais que controlam os sentimentos, a cognição, a linguagem e a memória. Por isso, durante essa fase, é muito importante estimular as habilidades socioemocionais das crianças, pois isso será determinante para definir a forma como elas vão lidar com suas questões no decorrer da vida.

E foi essa a proposta da aula de Qualidade de Vida para a turminha do Maternal I, os papais e as mamães deveriam abrir um espaço de diálogo com seus filhos e resgatar momentos felizes em que viveram.

É por meio da troca e da escuta que os adultos conseguem detectar os sentimentos vividos pelas crianças e traçar uma definição própria para cada um. É importante que elas entendam que a alegria, a tristeza e o medo fazem parte de nós, seres humanos, e que o mais importante é sabermos lidar com cada uma dessas sensações. Escutar o que cada um sente já é o primeiro — e importante — passo.

O mais legal é perceber que cada criança tem um repertório próprio, recheado de interesses e necessidades únicas.

Que tal realizar você também esse momento com seus filhos?

Vai ser uma delícia!